Abelhas e flores podem compartilhar bactérias benéficas?

0
71
Abelhas silvestres compartilham micro organismos com as flores que polinizam.

Estudos com abelhas silvestres e os vegetais que elas polinizam têm demostrado que estes organismos, abelhas e plantas com flores, compartilham um microbioma em sua interações ecológicas.

Várias abelhas selvagens, então, além de obter alimento para a sustentação das suas colméias, obtêm contato com bactérias importantes para a sua saúde em muitas flores que elas visitam.

O microbioma das abelhas constitui a comunidade de diversas populações de micro organismos diferentes que vivem na abelha ou nos ambientes que ela frequenta.

As abelhas silvestres são um grupo importantíssimo de organismos polinizadores, pois as abelhas domesticadas têm tido um grande declínio pelo fenômeno “colapso de colônia”, que tem provocado o sumiço e a mortandade de abelhas, talvez pelo uso indiscriminado de agrotóxicos nas lavouras.

Nos últimos dez anos cerca de mais de dez milhões de colméias desapareceram na américa do norte, apontam estudos.

O uso de agrotóxicos certamente atinge uma enorme gama de organismos polinizadores afetando imensamente suas populações naturais e sua ecologia, mas aparentemente tem sido mais impactante em abelhas domesticadas do que nas espécies silvestres.

As abelhas selvagens tendem a ser mais generalistas, polinizam uma grande variedade de plantas com flores, enquanto abelhas domesticadas podem ser mais específicas em relação a determinados tipos de culturas agrícolas.

Diante do quadro que tem afetado as abelhas domesticadas, o estudo das espécies silvestres se mostra imprescindível no entendimento de sua ecologia, para que tenhamos um plano B para a manutenção da polinização das culturas agrícolas importantes do ponto de vista da alimentação humana.

O estudo sobre a microbiota das abelhas silvestres e as flores que elas polinizam tem sido desenvolvido por Quinn McFrederick, professor assistente de entomologia na UC Riverside e co autores.

Segundo os pesquisadores desta importante universidade da Califórnia (USA) as bactérias compartilhadas entre abelhas e flores podem desempenhar um papel benéfico para as abelhas silvestres refletindo na saúde das mesmas e no ambiente das colméias.

Populações de bactérias Lactobacillus foram encontradas no microbioma destas abelhas e nas flores que fazem parte do seu forrageamento. Várias espécies de Lactobacillus são usados pela industria para conservar inúmeros tipos de alimentos.

Isso pode significar que os Lactobacillus encontrados em suas pesquisas com abelhas silvestres possam desempenhar no interior das colméias também as mesmas atividades daqueles usados na indústria de alimentos, agindo como conservantes, preservando assim a qualidade e as condições naturais de pólen e néctar para a alimentação das larvas, a fase juvenil das abelhas.

Essa atividade dos “parceiros” microbiológicos das abelhas silvestres pode ser apenas um dos muitos papéis significativos desempenhados por micro organismos na economia das muitas interações biológicas possíveis entre flores e polinizadores.

Bibliografia

Universidade da Califórnia – Riverside. “Flowers critical link to bacteria transmission in wild bees: Research shows for the first time that multiple flower and wild bee species share several of the same types of bacteria.” ScienceDaily. ScienceDaily, 6 September 2016

Acesso em: www.sciencedaily.com/releases/2016/09/160906145608.htm.

ONDE PESQUISAMOS – Clique e saiba. Todos os direitos reservados – © Copyright 2015/2017 – Biota do Futuro.

Deixe uma resposta