Medir com precisão inédita os fluxos amazônicos de calor, água e gás carbônico, e analisar minuciosamente os padrões de ventos, umidade, absorção de carbono, formação de nuvens e parâmetros meteorológicos são atividades de pesquisa relevantes para o entendimento da dinâmica da maior floresta úmida do planeta.

Estes são os objetivos ambiciosos que motivaram uma parceria entre o INPA – Instituto de Pesquisas da Amazônia e o Instituto Max Planck de Química da Alemanha, para a construção de uma torre de 330 metros de altura que foi erguida no coração da amazônia brasileira em São Sebastião do Uatumã.

Equipada com equipamentos científicos de última geração a Amazon Tall Tower Observatory monitorará durante 20 a 30 anos as complexas interações entre a atmosfera e a floresta.

Será a maior torre de observação climática do mundo que realizará o Experimento de Grande escala da Biosfera e Atmosfera da Amazônia, projeto idealizado desde o final da década de 80, do qual fazem parte outras duas torres menores de 80 e 50 metros de altura. E outras ainda podem ser construídas.

A ATTO, conseguirá monitorar dados para estudo das interações entre a floresta e o clima num raio aproximado de 1000 km de forma bem representativa.

Os estudos permitirão conhecer a fundo todos os processos que envolvem as trocas de massa e energia que ocorrem entre o solo, a copa das árvores e as correntes de ar acima da floresta.

A Torre Alta de Observação da Amazônia (ATTO – Sigla em Ingês) gerará conhecimentos sem precedentes sobre o funcionamento do ecossistema amazônico e sua influência no contexto das mudanças climáticas globais.

Todo o projeto é custeado pelo FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos e pelo Governo Alemão. O custo total do projeto deverá ser de cerca de R$ 20 milhões, incluindo os R$ 7,5 milhões da construção da torre, que foi fabricada por uma empresa paranaense de estruturas metálicas.

Após um longo processo de Licenciamento Ambiental, que se seguiu a um complexo trabalho de escolha do local apropriado, somente em 2014 foram iniciadas as obras de fundações da torre, que envolveu um árduo trabalho de implantação de logística para a materialização do empreendimento que ficou pronto em janeiro de 2015.

A floresta amazônica é um dos ecossistemas mais sensíveis do mundo e sua influência na estabilização climática afeta todo o planeta.

Para entender o que acontecerá como clima mundial no futuro, é preciso conhecer a fundo os processos físicos, químicos, biológicos e geológicos do bioma de maior biodiversidade do Brasil.

É preciso estudar minuciosamente a radiação solar,o ciclo hidrológico, as partículas de aerossóis e seus efeitos sobre a vegetação e sobre os ciclos de nutrientes na floresta além de entender os processos de convecção, ligados à formação de nuvens na região.

Bibliografia

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/03/1596678-cientistas-constroem-torre-maior-do-que-a-eiffel-no-meio-da-amazonia.shtml

http://infograficos.estadao.com.br/public/cidades/torre-amazonia/atto/#

http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2015/03/inpa-e-max-planck-discutem-projeto-torre-alta-da-amazonia

http://somosverdes.com.br/wp-content/uploads/2015/09/Torre-Atto-SV-1024×672.jpg

ONDE PESQUISAMOS – Clique e saiba. Todos os direitos reservados – © Copyright 2015/2017 – Biota do Futuro

Compartilhar
Artigo anteriorGavião Real
Jefferson Alvarenga é Editor e CEO do Site Biota do Futuro. Biólogo, Pós Graduado em Gestão da Saúde Ambiental e realizando Pós Graduação em Ciências Ambientais e Análise Ambiental.

Deixe uma resposta